segunda-feira, janeiro 04, 2016

Desemprego em 2016 será pior do que no ano passado, dizem economistas


Em 2015, os brasileiros enfrentaram o fechamento de postos de trabalho em decorrência das dificuldades econômicas no país. Em 2016, o cenário pode se repetir, segundo avaliação de especialistas. Para o vice-diretor da Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense (UFF), Renaut Michel, a taxa de desemprego no Brasil deverá continuar crescendo em 2016, por causa da queda no nível da atividade econômica. “Não há nenhum tipo de expectativa positiva”, disse o especialista em mercado de trabalho. Para Renaut Michel, embora a construção civil, um dos setores que mais empregam no país, tenha sentido mais os impactos da crise, outros setores da indústria poderão ser afetados este ano. “A indústria já vem mal há um bom tempo. Enfrenta um problema sério de perda de competitividade, de queda de investimentos. Minha expectativa é que continue um ano muito ruim para a indústria, mas em alguma medida vai afetar também o comércio e o serviço, porque o ambiente de incertezas está levando as famílias a consumirem menos. Em consequência disso, os empresários investem menos e bancos também não emprestam”. O único setor que deve continuar apresentando bom desempenho é o agronegócio. “Mas não vai conseguir ser suficiente para minimizar o impacto muito ruim da trajetória do emprego nos próximos meses”, acrescentou. Já o professor João Luiz Maurity Sabóia, do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), lembra que em outubro do ano passado, a taxa de desemprego era 7,9%, conforme a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa era praticamente a mesma registrada em 2008, que foi 7,5%, no auge da crise econômica internacional. “Foram dez anos de melhoras sucessivas no mercado de trabalho, e boa parte disso, infelizmente, em um ano de recessão foi revertida”, disse o professor, em referência ao salário e ao número de postos de trabalho gerados no período. 
Para Sabóia, os problemas enfrentados em 2015 causaram efeito pior no mercado de trabalho, em comparação aos impactos da crise internacional. “Aquilo [2008] foi um momento de desaceleração, mas não chegou a ser de piora do mercado de trabalho. E você sustentou esse movimento, praticamente, até o ano passado”.

Desemprego

Os metalúrgicos foram umas das categorias afetadas pelo desemprego no ano de 2015. De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói e São Gonçalo, Edson Rocha, 7,5 mil metalúrgicos foram demitidos nos dois municípios. Desses, 3,3 mil ainda não receberam indenização. A maioria dos demitidos da construção naval está “fazendo bicos”, enquanto não arruma um novo emprego, relatou Rocha. Odair Francisco da Silva é um dos que perderam o emprego. Ele trabalhava no Estaleiro Eisa-Petro Um, antigo Estaleiro Mauá, em Niterói. Casado e pai de quatro filhas, Odair recorreu à ajuda de parentes. “Estou me virando e, infelizmente, incomodando os outros”, disse. A mulher do operário, que não trabalhava fora, hoje faz faxina. Os pais de Odair, ambos aposentados e ganhando um salário mínimo cada, o “socorrem, na medida do possível”. O soldador Luís Silva Coelho foi dispensado do emprego e procura vaga na mesma área. “Trabalho está difícil. Tem que correr atrás. Tenho filho para dar conta”, disse.
Fonte: Da Agência Brasil

domingo, janeiro 03, 2016

Acidente na GO 139 entre Caldas e Piracanjuba deixa três vítimas fatais



O condutor do veículo  Jofre Perez Neto, a esposa, Promotora de Justiça da da cidade Ocidental,  Marivânia Palmeiras de Oliveira Perez, a filha do casal de 08 anos Isabela Palmeiras e uma acompanhante, uma adolescente que pertence a um orfanato que estava sob tutela da promotora Mariana Vitória de 14 anos. Na altura do KM 57 da GO 139,  Jofre perdeu a direção e  invadiu a pista contrária e chocou-se contra um caminhão que transportava leite. O motorista do caminhão identificado apenas por Renato não sofreu nada e ficou no local acompanhando os resgates. Mãe, esposo e filha morreram na hora. A promotora de justiça Marivânia Palmeira atuou nas comarcas de Valparaíso e estava atualmente na Cidade Ocidental, sempre entorno de Brasília. A notícia chocou amigos e familiares. A menor foi transportada pela equipe aérea de resgate Samu/Bombeiros para cidade de Goiânia. 

quinta-feira, dezembro 31, 2015

Casos de dengue avançam 53% em Goiás


A Secretaria da Saúde de Goiás (SES) notificou 187.448 casos de dengue até o dia 26 de dezembro deste ano, quantitativo que representa um avanço de 53,37% em relação ao mesmo período de 2014. De acordo com o Boletim Semanal da Dengue, referente à Semana Epidemiológica 51, até agora foram confirmadas 81 mortes relacionadas à doença. Outras 45 mortes estão sendo investigadas. Em números absolutos, Goiás é o Estado onde foi notificado o maior número de casos de dengue no País, de acordo com os registros do Ministério da Saúde. A grande quantidade de notificações está intimamente ligada à alta infestação do Aedes aegypti, inseto que transmite outras doenças graves, como a chikungunya e a zika.  Na tentativa de reverter este quadro e garantir a saúde da população, o Comitê Executivo Estadual contra o Aedes – integrado pela SES e por várias instituições e entidades parceiras – realizará nos dias 6 e 8 de janeiro um mutirão contra o Aedes em 75 municípios. O Boletim Semanal da Dengue demonstra que Goiânia é o município com maior número de casos. Na sequência vêm Aparecida de Goiânia, Anápolis, Jataí, Rio Verde, Mineiros, Goianira, Goiatuba, Valparaíso de Goiás e Ceres. Dos 187.448 casos notificados até agora, 95.013 foram confirmados por meio de exames clínicos e laboratoriais.
A Secretaria da Saúde de Goiás (SES) notificou 187.448 casos de dengue até o dia 26 de dezembro deste ano, quantitativo que representa um avanço de 53,37% em relação ao mesmo período de 2014. De acordo com o Boletim Semanal da Dengue, referente à Semana Epidemiológica 51, até agora foram confirmadas 81 mortes relacionadas à doença. Outras 45 mortes estão sendo investigadas. Em números absolutos, Goiás é o Estado onde foi notificado o maior número de casos de dengue no País, de acordo com os registros do Ministério da Saúde. A grande quantidade de notificações está intimamente ligada à alta infestação do Aedes aegypti, inseto que transmite outras doenças graves, como a chikungunya e a zika.  Na tentativa de reverter este quadro e garantir a saúde da população, o Comitê Executivo Estadual contra o Aedes – integrado pela SES e por várias instituições e entidades parceiras – realizará nos dias 6 e 8 de janeiro um mutirão contra o Aedes em 75 municípios. O Boletim Semanal da Dengue demonstra que Goiânia é o município com maior número de casos. Na sequência vêm Aparecida de Goiânia, Anápolis, Jataí, Rio Verde, Mineiros, Goianira, Goiatuba, Valparaíso de Goiás e Ceres. Dos 187.448 casos notificados até agora, 95.013 foram confirmados por meio de exames clínicos e laboratoriais.

Fonte: Do Mais Goiás

Justiça determina que Agetop recupere rodovia que liga Pontalina à BR-153

A juíza Danila Cláudia Ramaldes, da comarca de Pontalina, determinou por meio de liminar a adoção urgente, pela Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), de medidas destinadas à recuperação da rodovia GO-215, que liga Pontalina à BR-153, numa extensão aproximada de 25 quilômetros. A demanda foi ajuizada no último dia 18, pelo promotor de Justiça Guilherme Vicente de Oliveira, do Ministério Público de Goiás (MPGO), e aponta as condições precárias e perigosas da rodovia estadual. Na ação civil pública, o promotor requereu a concessão da liminar para determinar à Agetop que dê início urgente a obras de recuperação ou reconstrução da estrada, no trecho entre Pontalina e a BR-153, sob pena de incidência de multa.  Foi pedido que o valor dessa multa seja fixado em R$ 10 mil por dia. Estes dois pedidos foram concedidos pela juíza, que determinou em sua decisão o prazo de 5 dias após a notificação para que a recuperação seja iniciada e prazo de 90 dias para conclusão da obra por meio de recapeamento da pista. Caso as obras não sejam iniciadas no prazo estabelecido na liminar, o promotor Guilherme de Oliveira pediu que seja determinado o bloqueio de recursos públicos no orçamento da Agetop para custear os serviços, intimando-se o prefeito de Pontalina para que seja o gestor da manutenção da rodovia. Os pedidos de bloqueio dos recursos da Agetop e de interdição da rodovia caso o trabalho não se inicie serão, de acordo com a juíza, analisados posteriormente.

A Agetop ainda não se manifestou sobre o assunto.
Thiago Burigato
Do Mais Goiás

PARCEIROS DA NOTÍCIA

CONFIRA ALGUMAS DAS EDIÇÕES IMPRESSAS E POSTAS ON LINE